Trem da frota K, reformada pelo “cartel”, pega fogo em estação do Metrô

192
Foto: Murad Sezer/Reuter

Usuários e funcionários tiveram que desembarcar na plataforma da estação Patriarca. Funcionários ameaçam paralisação se a frota não sair de circulação

Um trem, modelo K19, pegou fogo na Linha 3-Vermelha do Metrô, às 11h15 desta quarta-feira (21). Usuários e funcionários da estatal desembarcaram com urgência na estação Patriarca.

Antes disso, funcionários notaram que havia fumaça saindo da parte de baixo da composição. O trem seguiu, às pressas, até a estação Patriarca. Quando o incêndio começou já não havia mais ninguém dentro dos vagões.

Após controlar o fogo, funcionários do Metrô conduziram a composição até o estacionamento da estação Vila Matilde.

Funcionários do Metrô assinaram, no último dia 8 de maio, um documento pedindo que em 30 dias a estatal retire de circulação todos os trens da Frota K. Caso não sejam atendidos, os servidores organizarão uma paralisação.

Cartel

A Frota K foi, recentemente, reformada pelo consórcio MTTrens, formado pelas empresas Temoinsa, MPE e TTrans. Essa última, está envolvida no esquema de licitações dos trens, de acordo com documentos apresentados pela Siemens ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O esquema, conhecido como “propinoduto tucano” ou “trensalão”, começou na gestão do ex-governador Mário Covas e continuou acontecendo durante os governos de José Serra e Geraldo Alckmin, todos do PSDB.

Dica: Fique por dentro de tudo que acontece no Metrô de SP. Curta a página do Metrô SP Noticiando no Facebook

Metrô

O Metrô confirmou o incidente e informou que o incêndio não prejudicou a circulação de trens na Linha 3-Vermelha. Segundo a estatal, “as causas da ocorrência estão sendo apuradas.”

* Com informações do Spresso SP

Deixe seu comentário

comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here